WATCHMEN - o filme: trailer

Watchmen é considerada uma das obras primas na banda desenhada, um calhamaço de 12 volumes nada ortodoxos que quais Matrioshkas inscrevem histórias complementares à história principal dando corpo e tridimensionalidade ao mundo de Alan Moore pelo traço clássico de Dave Gibbons. O leitor é chocado por um universo que retrata um mundo espelho da realidade em que os seus super-heróis são banalmente corrompíveis e movidos por um mote de propaganda e crença, um espelho da actualidade com o fio de prumo da economia.

O purismo idílico do conceito de super herói é trespassado na fronteira entre o mundo das ideias e o mundo da realidade, quando os super-heróis são comuns mortais, arrebatam a velhice e as mudanças dos tempos e das modas, têm dilemas sociais e são engrenagens de elite duma máquina de aproveitamento económico e bélico que marioneta o mundo, meramente política e estratega. A era de inocência dos super-heróis já não é.

Além de político, Watchmen é extremamente filosófico, sociológico e existencialista. Rorschach (personagem baptizada pelo teste forense de análise psicológica criminal - inkblot rorschach) um herói detestado e repelente, conservador, imundo, fanático, rude e bruto no entanto portador da capacidade de gerar uma real afinidade humana, desempenhará um papel decisivo na história e de certeza não irá passar despercebido ao leitor. Ele é o existencialista sobrevivente e a vacina para uma realidade violenta transposta em cenário de banda desenhada pois Rorschach já é fruto e vítima dessa mesma realidade, conseguindo mesmo assim transmitir uma nesga de esperança qual mártir guardião da estrutura humana ética e ideológica.

Watchmen vai para os cinemas em 2009 pela mão de Zack Snyder.

Isto promete

Vamos à treila: aqui
ou em ultra qualidade: aqui
e já agora a banda desenhada em si: aqui

Comentários

  1. Já tinha passado hoje por aqui, mas agora passo de novo para te retribuir ...
    o beijo!

    Tudo de bom.

    ResponderEliminar
  2. Fui ver o último Batman e dou-lhe um suficiente mais.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário